Adeus 2007

Eu sei que prometi um post elaborado, mas não deu tempo de pensar em um. 2007 foi o melhor ano da minha vida, iico meio triste por ter passado tão rápido...
Foi um ano difícil, com várias tragédias, mas como sempre parece que o ser humano superou tudo, pelo menos parece ter superado. O mundo vai continuar uma merda é verdade, mas no meio de tudo isso continuaremos a nossa luta diária em 2008. Eu continuarei com meu sonho de melhorar - nem que seja só um pouquinho - esse mundo.
Desejo a todos muita paz. Ano que vem o Rotineiro volta com tudo! Obrigado pela compania nesse ano maravilhoso!

Um forte abraço.


*Devido a viagens não sei quando vou poder postar novamente, talvez a Pri faça isso a próxima vez. Pra terminar uma música que inspira uma das coisas mais lindas e importantes que possuímos, a esperança. Não vamos deixar que as cenas desse video se repitam.

War is over if you want it!
FELIZ NATAL!

Com muita alegria e paz para todos! O próximo post vai ser o último do ano e vai ser mais caprichado, esse vai ser só pra isso mesmo. Tudo de bom pra vocês!


Longe

Estamos prestes a comemorar o Natal, época de alegria e paz. Isso para nós que estamos em um lugar abençoado e sem guerras. O Natal para muitas crianças no mundo será apenas mais um dia de trabalho, ou mais um dia de guerra, de fuga, de mortes. Hoje comprei um livro que recomendo a todos, "Muito longe de casa (Memórias de um menino soldado)", que é a história do autor Ishmael Beah, um sobrevivente das guerras internas da Serra Leoa. Ele foi um menino-soldado e sofreu muito com a guerra, ainda estou no começo do livro mas já virou uma das minhas obras favoritas. Isso me fez pensar de novo nesse mundinho que vivemos, onde o respeito está indo por água a baixo. Não pensamos em mais ninguém, só nas coisas, nos objetos, milhões de anos de evolução pra isso? Não adianta, nunca vou me acomodar com essa sociedade...


Hoje tembém tive notícias do meu pai, o que me deixou mais pra baixo. Ele é separado da minha mãe e eu achava que ele ainda tava na Amazônia, mas ele está em SP cuidando do caso daquele colombiano. Sabe, eu acho que essa é a minha maior dor, a rejeição. Ele não queria responsabilidades, não queria um filho. "Não nasci pra isso" e depois largou minha mão comigo bebê. Sempre quando eu vejo algum babaca que engravida uma menina e não quer assumir o filho eu sinto ódio, pessoas que sempre tiveram uma família e que nunca valorizaram isso. No livro o guri perde toda a família, eu não consigo imaginar isso, a dor que é ser sozinho.

De um lado existem pessoas tão imbecis nesse mundo, que só pensam em coisas inúteis, mas do outro existem os que realmente farão diferença, como você que está lendo isso. Alguém que pare pra pensar um pouco pode se considerar alguém. Quem sabe um dia tudo isso mude?

Hoje só consigo pensar nas crianças sem lar, no Natal triste que elas terão, na marginalização que sofrerão. Só consigo pensar nas guerras e nos porquês das guerras. Só consigo pensar que se quizermos ainda podemos acabar com isso. Como eu já disse aqui um tempão atrás, tudo começa de um sonho.

Bom, mudando de assunto a Pri me deixou mais um prêmio maravilhoso, e esse eu adorei! "Escritores da liberdade", obrigado pelo presente de natal Pri! Ah, ela vai passar um tempo longe dos blogs agora, vai fazer muita falta né?!


"Todos temos blogs pelo fato de gostarmos de escrever. Por prazer, profissionalismo, ou qualquer motivo pessoal. E a maioria gosta de escrever para liberar algum sentimento profundo, seja ele bom ou ruim. Escreve para se encontrar, para analisar a situação depois de algum tempo, ou naquela mesma hora, e também por essa paixão de pôr tudo no "papel". E estou chamando esses blogueiros de Escritores da própria liberdade. Escritores sim, mesmo que amadores, que escrevem suas emoções, que não guardam tudo para si. Que compartilham tudo com pessoas muitas vezes estranhas(entre as conhecidas)... Escritores que admiro muito, por vários motivos, que se destacam de um jeito único, para cada uma das pessoas que os conhecem. Blogueiros que publicam a sua liberdade de expressão.” (Batom Cor-de-Rosa)

Ofereço esse prêmio à Kari, ao Jornal O Coletivo, à Munique na eperança que ela volta ao blog, à Fernanda e o ultimo quebrando as regras ofereço a você leitor, que pode não ser um escritor, mas tenho certeza que almeja a liberdade.

Um forte abraço.

:)

"O tempo passa, o tempo voa..."

Mais um ano que se finda. Mais um ciclo que se fecha. Não sei quanto a vocês mais para mim esse ano passou voando, por isso estou achando mais que estranho ter que abrir mão tão cedo do mesmo, ainda erro o ano quando vou colocar a data em qualquer situação, me sinto em 2006, na verdade para mim desde 2000 que o tempo voa.
Nossa, me lembrei agora que já fazem 7 (agora beirando 8) anos que vivemos além de muitas profecias que findaram nossa época com a passagem 1999/2000. Pois é e em 2001 o século XXI veio e apesar de tantos avanços tecnológicos ainda não vivemos espacialmente como em "2001:Uma odisséia no espaço" ou o ainda não estamos no "Planeta dos macacos" (ainda bem!). E na verdade muitos dos problemas que arrasaram o século XX ainda encontram-se devastando o mundo sem solução, ou sem iniciativa para acabá-los. Ainda temos escravidão de menores e maiores, fome, miséria, violência (sexual, física, moral) e guerras. Não vivemos ainda a Terceira Guerra Nuclear e, por pouco nos salvamos de mais uma catástrofe atômica, que agora arrasaria o mundo por completo, e não só duas cidades.

Bem mais essa ainda é a primeira década de um novo século, de uma nova era, ainda há muito que acontecer e muito para se mudar. E que possamos não só sentar e esperar para ver, mas também fazer acontecer. Porque como diz Lenine em uma de suas músicas "ninguém faz idéia de quem vem lá", ninguém sabe de quem pode partir a semente da modificação.

Deixo aqui um texto de Carlos Drummond que achei na internet:


Sentimento do Mundo

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transigena confluência do amor.

Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.
Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,eu ficarei sozinho
desfiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microscopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanheceresse amanhecer
mais noite que a noite.

E finalizando...
Fernando Pesssoa, assinando com Álvaro de Campo escreve:

"Não sou nada
Nunca serei nada
Nunca poderei querer ser nada
Á parte isso
tenho em mim todos os sonhos do mundo!"

Bem, que possamos ter a consciência de que não somos esse "nada", somos "alguém"! Alguém que pensa, que fala, que escreve, que tem opiniões, que existe! E que somente através de nós nosso sonhos podem tormar forma e assim, modificar a nossa realidade, nem sempre tão justa, tão certa, tão feliz.

Fim da História

Pois é amigos não passei! Mas hoje não me matei de chorar igual no dia da federal, a vida já andava uma merda mesmo, um pouco a mais um pouco a menos... Pelo menos o ano valeu a pena! Muita diversão, muita loucura! Se bem que eu trocava tudo por meu nome naquela maldita lista. 225°, será que 99 candidatos irão desistir? Ah isso é no próximo capítulo!

E o Natal? Ta chegando né, tenho que comprar um presente pro meu amigo secreto ainda, comprar, comprar, comprar, comprar, tudo se resume a isso.

Hoje fiz uma coisa diferente (obrigado é verdade) fui no balé (HAHA) e foi legal! Alguns diriam que estou adquirindo cultura com isso, que seja. Agora chega de falar de mim, era só pra dar notícias mesmo, já que andei sumido né?

Como hoje é sexta, vou deixar um textinho bem leve ok?
.
Um dia sonhei em voar
Mas meus pés não saiam do chão
Com força comecei a pular
Imaginando-me um avião
.
Um dia sonhei em viajar
Mas dinheiro não tinha na mão
Com vontade fui trabalhar
No fim do mês não sobrava um tostão
.
Um dia sonhei com o mar
Os peixes, a praia e o gavião
Lembrei-me que não sei nadar
Afoguei o meu coração
.
Não desisti de sonhar
Mamãe me deu persistência e determinação
Juntei dinheiro para poder viajar
Guardei tudo praquele verão
.
A água doce dos meus olhos se misturou à salgada do mar
Sem saber nadar as ondas me levaram com a emoção
Logo senti o vento no meu rosto e meu sonho a se realizar
"Abre os olhos que agora você voa meu irmão"
.

Tá ficou meio infantil, mas é um poeminha pós-traumatico que eu consegui fazer 1:31, hehehe. Um beijão, e um abraço. Prometo que passo no blog de vocês o quanto antes!


* Um vídeo pra pensarem, assistam se puderem (música do Johnny Cash):

Férias

Com essa coisa de não ter mais nada pra fazer acabei esquecendo do Rotineiro. Pois é, férias finalmente. Não sei se já comentei por aqui que não passei na federal, agora só estou esperando o resultado da ultima universidade que eu tentei, é depois de amanhã e eu já tô nervoso.
Não sabia muito bem o que escrever hoje, estou completamente alienado do mundo e dormindo demais, ou seja, sem um assunto legal. Aí pensei e pensei, só veio Natal na minha cabeça, mas a Pri já falou disso. A música do Yeah Yeah Yeahs invadiu minha cabeça e comecei a pensar nesse ano todo que passou. O cursinho, os amigos, os inimigos, as gurias, as festas, as decepções, as felicidades, e como tudo isso valeu a pena. Como cada mínima coisinha vale a pena.
Aliás tudo vale a pena não é mesmo? Ou vai dizer que tua alma é pequena?! HAha, ta foi horrível, mas não tenho nada pra falar mesmo.. Vou tentar fazer do Rotineiro uma rotina novamente! E pra terminar uma coisinha tosca:

HAHA

Vou tentar postar coisas legais nas férias, pelo menos enquanto eu estiver em Curitiba! Um abraço do rotineiro ambulante! ;D

* Yeah Yeah Yeahs - Down Boy (ao vivo)

Dezembro bate à porta.

E estamos em dezembro. O tempo passou rápido não é verdade? Parecia ontem que anunciava-se o carnaval e aqui em Recife o frevo invadia as ruas da cidade. Mas agora já é Dezembro.
O ano está terminando e com ele se aproxima um novo ano, de novos desejos, promessas, felicidades, frustrações, alegrias, tristezas, emoções.
Mas antes do mesmo terminar, passaremos pelo Natal, sim, os vendedores já se emocionam com o volume de dinheiro que irá se arrecadar em tão pouco tempo nesse mês de Natal. Na TV especiais de Natal já são montados, e as propragandas de produtos ficam cada vez mais apelativas. Os desenhos trazem Papai Noel, a grande imagem do Natal. Interessante não é, que o Natal só existe para comemorar o nascimento do Cristo e quando pensamos em Natal, a primeira coisa, automaticamente, que vem a nossa mente é um velho barbado com suas calças vermelhas largas, seu gorro, e uma sacola cheia de presentes sendo empurrada pela chaminé. A e é claro o pinheiro enfeitado. Estou mentindo?
E o pior é que nem nevar auqi no Brasil neva, pelo menos por aqui no Nordeste é um calor descomunal, e a árvore da estação não é o pinheiro, mas a manga. Mas ninguém enfeita um pé de manga no Natal. Não, compram-se pinhiros postiços e penduram-se mil enfeites e piscas, espera-se por Papai Noel, e só não se arranja neve postiça, porque não dá, ainda.
Mas e o nascimento de Cristo? Pelo menos para aqueles cristãos há o significado de que a noite de Natal serve para comemorar seu nascimento, onde toda a família reúne-se em volta de uma mesa para ceiar. Infelizmente nem todas, muitas não tem o que comer diariamente, que dirá no Natal.
Mas para todos aqueles que acreditam na vinda do Cristo com sua lição de amor, Natal é um período de renovação, de nascimento, para mim, é o renascimento de um esperança. Assim como naquela época o mundo se via envolto em uma áurea de desamor e violência e Cristo nasce levando sua mensagem de caridade, abnegação, amor, perdão, hoje nos encontramos em uma era em que a violência novamente se acumula, o amor se perde e o medo alcança nossos corações, Jesus nasce novamente nessa noite de Natal. Não estou aqui profetizando o retorno d'Ele, não quero entrar em credo de ninguém. Eu estou dizendo que na noite de Natal Ele nasce novamente mas em nossos corações, ou seja, sua mensagem de amor nasce novamente, mas em nós. Plantando em nossa alma a semente da mudança. Cabendo a nós planta-la, cuidá-la e fazê-la frutificar.
Que possamos deixar esse amor renscer e crescer, que possamos fazer dessa data um momento de repensar nossas atitudes, rever nossos sentimentos e não só de vivenciar uma troca de presentes. Que possamos fazer de nossos corações solo fértil para o crescimento dessa semente da mudança. Há tanta injustiça no mundo, você pode pensar como será capaz de modificar tudo, eu digo, peço, faça sua parte.
Essa pode ser somente mais uma mensagem de fim de ano pedindo uma renovação, que seja, mas que ela penetre em você como a semente da mudança que renasce no dia de Natal.




Muita Paz!

Camuflagem

Olhos atentos, passo despercebido
Ninguém me nota e nunca notará
Me camuflo de homem, de gente, de tecido
Brilho solitário, amo o vazio, vivo por um fio

Corro pelo mundo, vejo a injustiça
Estou camuflado, ninguém me nota, ninguém me pergunta
Não sou incomodado, sou VIP, sou alguém
Vivo como os outros, sou os outros, nada além

E se algo me dói, me machuca, me faz pensar
Mudo logo de cor, e finjo cegueira portar
Sou vazio, sou homem, mato e desmato
Sugo e destruo, lambo os beiços com o sangue dos inocentes

A minha camuflagem é vista por todos
Comprada no mais belo shopping do mundo
O shopping da vergonha e da ordinariedade
Exibo meu ouro, tirado da vida dos africanos

O choro não me comove mais
A violência se tornou algo tão natural
Tudo nesse mundo é banal
Não me preocupo mais, desisti rapaz

Agora ponho minha camuflagem e sorrio para o mal
Passo despercebido, coisa tão natural
Rio dos pobres que perderam tudo na televisão
Sofro pelos ricos que morreram num avião

Camuflo quem sou

Aliás, quem sou eu?

Cego os meus olhos para o mundo
Tapo meus ouvidos para o próximo
Fecho-me no meu casulo
E finjo viver, o que importa é parecer

Sou o bicho homem
Que virou camaleão
.

A Kari vai ficar brava, mas pra variar eu não gostei desse poema, hehehe. Esse fim de semana tem outro vestibular, e depois posso descansar de vez e visitar os blogs regularmente! Obrigado a quem vem comentando. Um beijão!

Hoje vou deixar uma música do Chico Buarque por aqui.


Ode à contemporaneidade.

Semana de prova na faculdade, a maior correria, mas aproveitado para deixar um texto maravilhoso que minha amiga achou em um livro, o autor é Paulo Paes. Ele nos fala sobre uma ssunto que a muito me fascina: o capitalismo e seu maior símbolo no mundo contemporâneo: o shopping. Tudo bem que todos nós temos nossa cota diária ao capitalismo, e que poucos desprezam uma ida ao shopping. Mas isso não nos torna cegos diante da realidade dessa sociedade que só se perde no mundo do consumismo, tentando se encontrar nos sentimentos.

"Ode ao Shopping Center

Pelos teus círculos
Vagamos sem rumo
Nós almas penadas
Do mundo do consumo.

Do elevador ao céu
Pela escada do inferno:
Os extremos se tocam
No castigo eterno.

Cada loja é um novo
prego em nossa cruz.
Por mais que compremos
estamos sempre nus.

Nós que por teus círculos
Vagamos sem perdão
À espera (até quando?)
Da Grande Liquidação."

Eu x Sistema

É. Um ano prisioneiro desse sistema injusto que nos manipula, nos enquadra em uma embalagem pré-fabricada de pequenos advogados, médicos, engenheiros. Perdemos vida estudando coisas completamente inúteis, decorando fórmulas, datas, órgãos, funções... Aí vem o vestibular, é até engraçado, a competitividade, a concorrência, a luta pela vaga. E ninguém gosta de perder nessa sociedade moderna. Eu provavelmente perdi, fiquei nervoso no dia e mandei mal na prova. E agora estou meio que acordando dessa lavagem cerebral, se bem que esse ano aproveitei de mais, não consegui bitolar nos estudos, mas perdi muito tempo com eles.

Por isso é bom sonhar não é mesmo? Uma utopia onde estudassemos o que gostamos, corressemos atrás de nossos sonhos, não estudassemos apenas por dinheiro, para gastar e gastar. Infelizmente vivemos nessa sociedade podre que valoriza o ter, a burrice e a imagem.
Seria tão bom se eu pudesse pular tudo isso, tão mais fácil. Mas não tem jeito. E agora o que fazer? Entrar em outra universidade, ou começar tudo de novo ano que vem para entrar na federal?

Sei lá.

Por enquanto só quero um pouco de férias, que aos poucos sinto chegando (como aquele raio de sol depois da tempestade) e logo me lembro que há muito mais do que isso. A vida tá aí, vou aproveitá-la, beber calmamente o seu líquido, depois eu penso no que será. Agora só quero ser.

Ah, não podia deixar de agradecer a Pri por ter cuidado do Rotineiro, adorei os textos! Dia 3 sai quem passou para a segunda fase da UFPR, se por algum milagre meu nome estiver lá eu os aviso ok?

Um beijão!

Filosofando a Amizade

Folheando uma revista de filosofia achei o seguinte texto:


"Distância e longa ausência prejudicam qualquer amizade, por mais triste que seja admití-lo. As pessoas que não vemos, mesmo os amigos mais queridos, aos poucos se evaporam no decurso do tempo até o estado de noções abstratas, e o nosso interesse por elas torna-se cada vez mais racional, de tradição. Por outro lado, conservamos interesse vivo e profundo por aqueles que temos diante dos olhos, nem que sejam apenas os animais de estimãção. Tão vinculada aos sentidos é a natureza humana. Por isso, aqui também são sábias as palavras de Goethe: 'O tempo presente é um deus poderoso'.
Os amigos da casa são chamados assim com precisão, pois são amigos mais da casa do que do dono. Portanto, assemelham-se antes aos gatos do que aos cães. Os amigos se dizem sinceros; os inimigos o são. Dessa forma, deveríamos usar a censura destes para nosso autoconhecimento, como se fosse um remédio amargo. Os amigos são raros na necessidade? Não, pelo contrário! Mal fazemos amizade com alguém, e logo ele estará em dificuldade, pedindo dinheiro emprestado."
Arthur Schopenhauer, filósofo alemão (1788-1860)
em Aforismos para a Sabedoria de Vida


Os admiradores de Schopenhauer que me desculpem, mas logo quando lí esse texto me impressionei como ele coloca a amizade como algo tão banal, e que até parece ser apenas uma questão de interesse. Talvez seja, mas não gosto de pensar dessa forma. Quanto à distância arruinar o sentimento, acho que a internet tranformou isso completamente, quantos amigos virtuais são, muitas vezes, tão amigos quanto àqueles que estão bem diante aos nossos olhos todos os dias, quantos amores virtuais hoje existem e de forma tão maravilhosa, sem que necessariamente as duas partes se encarem nos olhos ao dizer juras de amor.
E quantos amigos estão a tanto tempo longe de nós , mas sabemos que assim que precisarmos de um apoio ele estará lá para nos ajudar. A telefonia, a internet encurtam as distancias e transformam de vez a relação espaço-tempo no mundo atual. Transformando, assim, não só a filosofia, mas também a sociologia.
Nos tornamos cada vez mais próximos, apesar de tão separados. Quem sabe se Schopenhauer estivesse no século XXI ele pensaria um pouco diferente? Mas não perca contato com aquele seu amigo de longa data, só para o caso de ele estar certo.

Eu e o outro.


al.te.ri.da.de sf. Caráter ou qualidade do que é outro.

ou.tro pron. pl. 1. Diverso do primeiro;diferente de pessoa ou coisa especificada 2. Seguinte, imediato 3. O resto

Aurélio

Somos multidão. Milhares de pessoas que transitam dia-a-dia por essa Terra. Milhares de pensamentos, de vontades, de idéias, de culturas. Se cada cabeça é um mundo, imagine quantos mundos existem em nosso planeta. Imaginou? Agora pense em como tantos mundos transitam entre sí, em quantas interseções há entre eles. E nessas interseções, há também choques. Certas pessoas simplesmente por não conseguirem compreender o outro, a alteridade, desconsideram a forma de pensar daquele, por achar que é superior.

Vivemos numa era globalizada, numa global village, e por que há ainda tanta intolerância? Porque há pessoas que ao ver o diferente, o tacham de estranho e errado. Porque o ser humano vive de divisões, branco e negro, Ocidente e Oriente, pobres e ricos, 1° mundo e

3° mundo. Como pode haver globalização dessa forma? Pois se a mesma fosse uma verdade estaríamos vivenciando uma troca cultural e não certas culturas se sobrepondo a outras, os brancos se sobrepõem aos negros, o Ocidente dita a moda no Oriente, os pobres ssão subjugados pelos ricos, o 1° mundo exporta cultura para o 3° mundo.

É como se determimadas culturas ou "visões de mundo" não fossem boas, ou interessantes, e então se padroniza um modelo de cultura ideal para o mundo. E aqueles que não o aceitam são taxados de retrógrados, conservdores, quanto não fundamentalistas, fanáticos, terroristas. Mas quem é o terrorista?
Nunca nos vemos no outro, esse é o problema da nossa sociedade. O outro, simplesmente é o outro, o resto, tal qual nos cita Sr. Aurélio.

Ô Recife, ô calor...



foto por Raul Kawamura, em "Recife em Retratos"

1.

"Olha a água. Olha a água!"
Meio dia.


Ando apressada o calor castiga.

"38°? Isso ta mais pra 138°"

"é a cinquenta, é a cinquenta, cinquenta"



2.

Ônibus por todos os lados, pedestres apressados.

Buzinas.

Olho para o céu.
Azul, sem nuvens.

O sol mais parece uma bola de fogo que teima em se atirar contra nós.

Um belo dia para uma praia, se não fosse uma segunda-feira...

Cruzo as pontes,

as águas calmas parecem um ótimo atrativo para combater o calor.


3.

"Olha a água! Olha a água!"

Paro.

Garganta seca, suor na testa.

Acho que vou andar de biquini agora. Hunf.

"Quanto é o copo d'agua?"

"é a cinquenta, é a cinquenta, é a cinquenta."

O líquido esfria,

a garganta acalma.


4.

Uma hora da tarde.

Sol a pino.

Calçadas lotadas, vendendores aos milhares.

Carros a mil.


5.

O aquecimento global é uma verdade.

As profecias apocalípticas da ONU se cumprirão."


------------------------------------------------------------
P.S: Hugo tá ocupado e infelizmente passará uns dias sem postar por aqui, enquanto isso, tentarei , da melhor forma possível,atualizar O Rotineiro com meus posts, mas é claro que não será a mesma coisa sem as maravilhosas reflexões de Hugo, mas será só por algumas semanas.
Bjo a todos!
E obrigada pelo carinho de sempre!
Priscilla

Sem assunto/ Matar tempo

- Pois, é vestibular chegando. Se eu tô preparado? Sei lá... Aham, aham, o ano inteiro estudando.
- Ah, eu tô bem, cansado mas tô bem. Pois é não tô acompanhando muito as notícias mas eu vi que não mudou muita coisa pra variar. Hahaha.
- Sério que o Brasil vai ser sede da Copa?!? Então vão terminar a Arena! Finalmente vão completar o Caldeirão!
- Novidades? Não muitas, até tem mas tô com preguiça de falar. Puxar um assunto..?

...

HAHAHA, não ainda nao fiquei louco ( mas falta bem pouco).
Ando meio sem tempo pra passar por aqui, eu sempre to sem tempo né?

...

Mais um Natal chegando, mais publicidade, mais gastos, mais esquecimento e ódio dos pobres.
Mais meninos e maninas que nos roubarão vindo.
Os enfeitinhos por aqui já começaram, os shoppings já estão todos cheios de luzinhas. Será que alguém ainda lembra o que é Natal?!?

...

Eu tinha tanta coisa pra escrever, sobre vários assuntos, várias teses, vários acontecimentos... mas eu fui esquecendo tudo, então hoje apenas enrolei-os caros leitores e amigos. Ando filosofando muito por aí, pensando em muitas coisas, quando passar tudo isso o Rotineiro vai ficar legal! Tô pensando em mudar as cores por aqui também, uma reforma sempre é bem vinda né?

Bom, acho que não terei mais tempo até dia 18 de postar de novo, então a Pri vai cuidar do blog.

Abraços a todos!

...

Antes que eu esqueça, tem um prêmio que eu tenho que colocar aqui. Faz um século que venho me esquecendo dele, hehehe. A Pri que nos premiou, valeu Pri!


Bem, para continuar:

1. Basta indicar 5 blogs que você realmenteache interessante, mesmo que eles já tenham sido escolhidos por outrosblogueiros.2. O objetivo é unir blogs que se comunicam e formam uma granderede na blogosfera com textos interessantes com a intenção de compartilhar,criar e interagir com todos os blogueiros de plantão.

Então aqui vão meus cinco indicados:
confessionário, cacofiniando, neste instante, hipocraticos, vermelho.carne

São 5 blogs que eu nunca tinha visto até hoje, ainda não li muito deles mas curti. Olhando vários blogs vejo que ainda tem muito chão pro Rotineiro, hehehe.

Melhor parar de escrever, ir dormir sei lá, tô ficando louco.

HAHA.

A beleza à sua volta.



"Você é filho do universo, irmão das estrelas e das árvores, você merece estar aqui; e mesmo que você não possa perceber, a Terra e o Universo vão cumprindo o seu destino"


Há pessoas que carregam o ódio, que se comprazem com a vingança, que persistem em alimentar o rancor. Você pode sentir o que quiser, você pode alimentar esse desejo doentio de se alimentar das tristezas alheias, você pode manter o seu coração tal qual uma pedra [fria e gélida].Você pode querer não se render ao amor, ao perdão. Mas de uma coisa esteja certo.

As flores não deixarão de sexalar seus perfume todos os dias, encantando os jardins e enamorando borboletas.

O sol não deixará de se por abençoando casais na praia. As árvores não deixarão de lhe prover um ar limpo e vital. A água não deixará de jorrar saciando sua sede. Pássaros não deixarão de cantar ao clarear do dia. O sol não deixará de brilhar no mundo dos homens, ele não deixará de esquentar seus dias.

Enfim, o mundo não vai parar, para se enebriar de seu ódio. A natureza, os homens de bem, o amor não deixarão de existir porque seu coração esfriou. A esperança não vai morrer por sua falta de crença. A felicidade não será banida do universo, apesar do seu ódio.
A natureza seguirá trazendo seus presentes. Portanto, não perca seu tempo.
Aproveite.
Viva.
Sinta...

...A beleza à sua volta.

Dia não-feliz


As nunvens não são feitas de algodão
O dia é escuro no porão
A vida é triste no Sudão
Ninguém manda no coração

Um dia a felicidade acaba
Como se um dia realmente tivesse existido
E como uma onda forte
Leva tudo que eu tinha sentido

Mas ninguém manda no coração irmão
Ninguém controla o amanhã
Ergue a cabeça Hugão
A vida continua
Como os sonetos mais tristes
Como a vida mais miserável
Como a fome da criança negra
Como a vida morta de um morto-vivo

Ele escrevia como quem morria
Hoje escrevo como quem agoniza
Uma dor que logo acabará, libertará (?)
O mundo não para de girar

Mas ninguém manda
Ninguém manda em nada irmão
Olha pra frente e limpa essa cara
Felicidade é coisa rara

E um dia roubaram a minha maior raridade
Tiraram-me por um dia a alegria de ser feliz
Como as gotas de água que saem do chafariz
Sempre fadadas a cair

Hoje sou humano
Hoje sofro, sou de carne e osso
Hoje sou humano
Hoje sangro

Mas ninguém controla nada irmão
Essa é a vida, se acostuma
O próximo trem já vem
As nunvens não são de algodão

Despertar


Um dia simplesmente acordo.

A cama ainda está lá, a janela também, o Sol ilumina aos poucos a rua. Tudo tão normal e tão grandioso, coisas banais mas tão magníficas.

Simplesmente acordo, mas não é mais os olhos que se abrem.

Consumismo, mortes, assassinatos, violência, roubos, injustiça, desordem, ganância, olho por olho dente por dente. Todos vêem, mas cegam seus olhos com o brilho do ouro. Todos vêem, mas acham normal, não há pelo que reclamar. É a vida.

Acordo de um modo diferente.

Seria tudo um sonho? Um pesadelo? Por que comprar algo inútil? Pra que colecionar coisas brilhantes e sem vida? Quando foi que o ser perdeu para o parecer? Vejo as máscaras, vejo os pavões, vejo o mundo real. A caverna ficou para trás, mas a humanidade ainda está acorrentada no seu interior vendo as sombras do que realmente é viver. Felicidade virou uma piada, ser feliz é ter dinheiro? Pois bem, comam o seu dinheiro!

Abro os olhos para esse mundo estranho e novo.

Preconceito, superioridade de um sobre o outro. Sim, nós viemos dos animais, e talvez ainda sejamos ignorantes igual eles. É fácil valorizar o amigo, mas e o desconhecido...? Acho que todos já perceberam que o mundo agora é mundial, deveríamos ser mundiais também e nos preocupar um poquinho mais (nem que seja um nadinha a mais) com algo mais que nós mesmos. Que tal fazer alguma coisa diferente também? Essa mesmice chata de um mundo de Maria-vai-com-as-outras me cansa. Desde quando o ser humano virou uma máquina? Injetaram medo em nossas veias, é proibido viver, é proibido fazer o que quizer, é proibido PENSAR e SER.

Certo dia acordei, e ainda não fechei os olhos.

----------------------------------------------------------------------------------

Falta pouco agora para o vestibular, mas vou passar mais por aqui, principalmente para treinar um pouco para a prova de redação. Tive um ótimo fim de semana na praia com meus amigos e me convenço cada dia mais de que não é o dinheiro que vai me fazer feliz. Um abraço a todos os meus amigos e um beijo pra Yohana (não esqueci!).

- System Of A Down - Hypnotize

Finalmente um tempinho para eu passar por aqui! A Pri tem escrito textos lindos como sempre e o Rotineiro recebeu mais um prêmio. Faz um tempinho já que minha amiga Kari considerou o Rotineiro como um dos melhores momentos virtuais.



É uma honra receber esse prêmio, mas é difícil para mim escolher blogs para indicar, principalmente porque ando bem desatualizado ultimamente.

Pripa, minha parceira e inspiradora de muitos textos meus. Eu sei que ela já recebeu isso aqui alguma milhares de vezes, mas não podia deixar de indicar.

Fábio, eu sei que o blog tá inativo, mas quando voltar vocês vão curtir.

Fernanda, uma poeta muito louca de quem sou fã também!

Marcos, um blog muito bom também, esse cara sabe escrever.

Eu sempre passo por blogs excelentes, minha lista aqui é muito pequena e ta faltando gente. Vou começar a salvar os blogs que eu gosto ali nos links para a próxima!

Esse post é só para agradecer a Kari e receber o prêmio, saudades de postar aqui todo dia!

Desabafo em tempos modernos.

"À dolorosa luz das lâmpadas elétricas das fábricas,
Tenho febre e escrevo.
Escrevo rangendo os dentes,
Fera para a beleza disto!
Para a beleza disto,
Totalmente desconhecida dos antigos."
Álvaro de Campos

Por vezes parece que a esperança acabou, que não existe amor. Porque a humanidade segue nesse mundo de guerras, onde vidas e mortes se misturam. Onde você é um número, uma estatística, uma porcentagem, onde é difícil se modificar e seguir na retidão, onde há pessoas que não se importam como o outro, não se vêem no outro. Onde o orgulho, a vaidade, a ganância a promiscuidade ganham terreno, onde ouvir o bem, é ser chato, antiguado, retrógrado. Onde a caridade é algo que não se observa em todos os lados.


Ser salvo é o que muitos buscam, mas mais a vale a salvação seguindo regras e dogmas, só na aparência, do que realizando o bem, ajudando aos outros, mesmo sem estar ligado a essa ou aquela religião. Estamos num mundo onde a ganância alimenta o orgulho, o orgulho traz a falta de razão que causa o desamor...


Pessoas que dividem mesmo teto, se tratam como inimigos, se desrespeitam...O amor que havia entre alguns se disfaz pela disputa, pela discórdia, pela "incompatibilidade de gênios", então será que alí havia amor?


Pessoas morrem de fome enquanto outras morrem estufada de tanta comida...Uns nadam no dinheiro, outros na lama. As imagens da violência se misturam às paisagens urbanas. As notícias de mortes e assaltos se mesclam às páginas que contam "cenas de próximos capítulos" de novelas.


Pessoas choram de dor, morrem de pavor, dormem sem sonhos e não se faz nada para mudar essa realidade, os Direitos Humanos parecem estar aí para serem descumpridos...E poucos se importam como o "amar ao próximo". As palavras daquele que pregou o amor há dois mil anos e de tantos que vieram em prol de tornar esse mundo mais justo se perdem na multidão por entre perfumes caros e roupas de marca.


Corremos sem saber para onde, sem saber o porquê. Passamos nossa existência trabalhando para juntar dinheiro e nunca desfrutamos do conforto que dizemos que essa riqueza nos trará. Pois o dinheiro não alimenta a alma, não compra o amor, não constrói o afeto, não paga nossa paz de espírito. Pelo contrário. Estamos cada vez mais cansados, mais ocupados, mais preocupados, porque temos contas a pagar, coisas a comprar, compromissos a honrar e nos perdemos por entre cálculos matemáticos e cortes de gastos, enquanto dólares fogem em cuecas e fortunas perdem-se em paraísos fiscais, fortunas que nós construímos com trabalho e suor.


Só nos resta perceber a verdade que nos cerca e construir o que está por vir, ouvindo, acima de tudo, nossa consciência e chutando, de uma vez por todas, nossa prepotências e valores desregrados, pois não é em cima do orgulho que iremos conseguir construir uma sociedade mais justa.


.....................................................................................................................................................................






Utopia almejada.



A nova transformação do mundo pode começar agora
A nova revolução pode estourar nesse momento
O grito da esperança pode surgir em qualquer esquina
A bandeira será hasteada em favor da renovação
Num meio em que o respeito e a tolerância andarão de mãos dadas
Em que o inovador e o antigo se debruçarão um sobre o outro
E a experiência alimentando a modernidade
a fará mais justa e humanitária...
E a realidade será um misto de realização e progresso.

Vamos plantar os sentimentos que germinarão uma nova realidade
Fazer nascer a ética que alastrará nos meios por igual
Deixar que ouçam nosso grito, nossa
Deixar falar a necessidade de PAZ
Não se suporta mais a violência, o desrespeito, a discórdia
Não se aguenta mais a política desrregrada e dissimulada e as guerras provocadas
Surge uma nação absorta em luz
Pessoas que tem noção de seu potencial de transformação
É a união das raças, o respeito as diferenças
É a convivência que traz a felicidade
É o ser "ver no outro" que produz a tolerância.

No dia em que o mundo alcançar a modificação
e não existir mas Norte e Sul
Desenvolvido e Subdesenvolvido
Ocidental e Oriental
No dia em que nos tornarmos
Verdadeiramente
Mundiais

Hoje, segunda-feira, dia internacional do mau-humor e da ressaca. Não conseguindo estudar fui assitir o filme Gandhi, não me arrependo por ter perdido as horas de estudo. Vendo a vida daquele homem lembrei de outros que mudaram o mundo, ou simplesmente se ergueram contra. Não conseguia tirar da minha cabeça o pensamento: "O que eles têm a mais?"

De onde surge forças para alguém morrer por milhares de desconhecios, ou pior, viver por eles. Gandhi é uma das minhas fontes de inspiração, queria ter conhecido alguém como ele principalmente em uma época tão triste igual à que vivemos. Mas será que precisamos realmente de um líder para mudar?

Não. Como o próprio Gandhi disse cada um tem que fazer sua parte e antes de tentar mudar o mundo a sua volta, mudar a si mesmo. E isso é o mais difícil, reconhecimento do lixo que somos, tirar as máscaras, e isso já liga a outros vários princípios. A humanidade é infeliz simplesmente por finjir ser algo que não é, somos apenas humanos, mas queremos ser perfeitos.

Vejo todo dia pavões ocos, pessoas que poderiam ser alguma coisa além de consumistas de um mundo controlado pelo dinheiro. Ninguém mais sabe o que é viver, assitir é a única coisa que fazem, mas quando se desliga a TV caem de volta na realidade, não somos aquilo, porque aquilo não existe.

O que fazer então? Boa pergunta. Talvez uma busca interior por uma inutilizada coragem de ser você mesmo. Saia dessa caverna, o mundo é muito mais do que shoppings. Muitos julgam por aí, e é fácil julgar os outros, deveriam primeiro julgar a si mesmos. Ninguém é perfeito e nunca será, mas podíamos pelo menos semear algo melhor do que violência e burrice.

Que tal ser algo mais que um robozinho?

"O que mais me surpreende na humanidade são os homens, porque perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. E vivem como se nunca fossem morrem...e morrem como se nunca tivessem vivido." (Dalai Lama)


Hoje não estou muito bom pra escrever, próximo post eu melhoro!
Pra finalizar uma musiquinha legal que eu gosto: Cachorro Grande - Que loucura

Nossa parte


Sou uma gota correndo no rio,

Sou uma pétala no jardim

O pólen da flor

A estrela no Universo

O grão de areia na praia

A formiga na mata

A partícula do átomo

O plâncton no Oceano.


Sou uma gota correndo no rio

que desemboca no mar...

Sou o sangue que passa na veia

Sou a partícula de ar que se respira

A gota da água da chuva

que provoca a enchente.

Uma gota correndo no rio

Cada ser uma função

Cada gota o saciar de uma sede

Cada singular

Um coletivo

Para cada coletivo

O poder de transformação.



Pelo simples desejo de falar
Pelo simples desejo de me expressar
Pela simples vontade de soltar as palavras presas na minha mente
Pelo simples tormento de não aguentar guardar.

Sentimentos vêm e vão
Dão razão ao viver
Mesmo que as vezes sem querer
Pulsando, gritando, agitando

Viver
Despertar a incírivel sensação
De não poder mais parar

E pela simples junção de desenhos (chamadas letras)
Poder transmitir o intrasmitível
Transpor o intransponível
Sentir a alma, a calma

Lá fora o mundo protesta
"A vida não é uma festa"
Não aprendeu? Nada presta
Não vale a pena..

Mas como não? Já não disse o poeta:
"Tudo vale a pena
Se a alma não é pequena"

Pedem paz, pedem amor
Mas praticar?
Não senhor

Pra que essa pose se somos todos iguais?
Tão evoluídos, mas ainda animais
O preto e o branco ainda não deixaram de ser apenas cores
O pobre ainda não conseguiu ser aceito pelos doutores

Paz, amor?
Sim aceito.

E aceito encarar essa aventura chamada vida
Navengando pelos turbulentos mares
Voando entre brisas e furacões
Cantando e brincando de ser
Mesmo sem ser
Ou talvez sendo

Entre sorrisos loucos e amigos lunáticos
Entre os vícios e as virtudes
Entre tristezas e proezas
Decepções e alegrias
Fúria, dor, paixão, euforia, ódio, amor, razão e loucura
Continuam

Na eterna busca da felicidade.

Talvez eu ja tenha achado o caminho
Não sei, não vejo o final
Apenas sigo cantando
Voando
Tornando possível impossiblidades

Ou talvez ainda esteja nessa corrida maluca
Escrevendo pelo simples prazer da criação
Libertando a imaginação sem limites
De um livre coração.


Brincando de poesia novamente. Desculpem a ausência, realmente ando sem tempo. Ontem assisti "Soppa de Letras" do Pedro Paulo Rangel, deu vontade de escutar Chico Buarque então aí vai:



"Olhos nos olhos
Quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz"

Quem é o selvagem?

Diante de um mundo onde o homem vive em constante guerra com a natureza, um mundo em que um modo de produção se impõe a dominação e destruição do meio ambiente, um mundo onde a natureza começa a dar respostas a tanto descaso e danos, num mundo onde as potências se aproveitam de uma ausência de poder coercitivo para fazer o que querem, passando por cima de qualquer coisa...nos perguntamos se há chance de sobrevivermos.
"O Grande Chefe de Washington comunicou-nos o seu desejo de comprar as nossas terras. O Grande Chefe assegurou-nos também da sua amizade e de quanto nos preza. Isso é muito generoso da sua parte, pois sabemos que ele não necessita da nossa amizade. Porém, vamos considerar a sua oferta, pois sabemos que se o não fizermos, o homem branco virá com armas e tomará as nossas terras.

Mas, como pode comprar ou vender o céu e o calor da terra? Tal idéia é estranha para nós. Se não somos os proprietários da pureza do ar ou do resplendor da água, como podes comprá-los a nós? (...)A seiva que corre nas árvores transporta consigo as recordações do homem de pele vermelho. O homem branco esquece a sua terra natal, quando, depois de morto vai vagar por entre as estrelas. Os nossos mortos nunca esquecem a beleza desta terra, pois ela é a mãe do homem de pele vermelha. Somos parte destas terras como elas fazem parte de nós. (...)

Assim, quando o Grande Chefe de Washington manda dizer que deseja comprar nossa terra, ele exige muito de nós. O Grande Chefe manda dizer que nos reservará um lugar em que possamos viver confortavelmente e que será para nós como um pai e que nós seremos seus filhos. Vamos considerar a sua oferta de comprar a nossa terra, embora isso não seja fácil, pois esta terra é sagrada para nós.

A água cintilante dos rios e dos regatos não é apenas água, é o sangue dos nossos antepassados. Se vendermos a nossa terra, terás de te lembrar que ela é sagrada e deverás ensiná-lo aos teus filhos e fazer-lhes saber que cada reflexo na água límpida dos lagos fala do passado e das recordações do meu povo. O murmúrio das águas é a voz do pai de meu pai. Os rios são nossos irmãos, matam-nos a sede, transportam-nos nas canoas e alimentam os nossos filhos. Se vendermos a nossa terra, terás de te lembrar e ensinar aos teus filhos que os rios são nossos e vossos irmãos, e terás de dispensar-lhes a bondade que darias a um irmão.

Nós sabemos que o homem branco não compreende o nosso modo de viver. Para ele um pedaço de terra vale o mesmo que outro, porque ele é um forasteiro que chega na calada da noite e tira da terra tudo o que necessita. A terra não é sua irmã, mais sua inimiga, e depois de a conquistar prossegue o seu caminho. Deixa para trás as sepulturas dos seus antepassados e isso não o importa. Apodera-se das terras dos seus filhos e isso não o inquieta. Ele considera a terra, sua mãe, e o céu, seu irmão, como objectos que podem ser comprados, saqueados ou vendidos como ovelhas ou miçangas cintilantes. Na sua voracidade arruinará a terra e deixará atrás de si apenas um deserto.

(...) As vossas cidades ferem os olhos do homem de pele vermelha. Não há lugares calmos nas cidades do homem branco. (...) O barulho que tudo domina ofende os ouvidos do homem de pele vermelha. Para que serve a vida se um homem não pode escutar o grito solitário do noitibó ou a lengalenga nocturna das rãs à volta de um pântano ? Sou um homem de pele vermelha e não compreendo, talvez porque os homens de pele vermelha são selvagens e ignorantes. O índio prefere o suave sussurro do vento roçando a superfície de uma lagoa e o perfume do ar lavado pela chuva do meio-dia ou carregado do aroma dos pinheiros.

O ar é precioso para o homem de pele vermelha, porque todas as criaturas partilham a mesma aragem: os animais, as árvores, o homem todos respiram o mesmo ar. O homem branco parece indiferente ao ar que respira. Como um moribundo em prolongada agonia, ele é insensível ao ar fétido. Mas se vendermos as nossas terras, deverás recordar que o ar é precioso para nós, que o ar reparte o seu espírito com toda a vida que ele sustenta. O vento que deu o primeiro sopro de vida ao nosso antepassado recebe também o nosso último suspiro. Se vendermos as nossas terras, deverás conservá-la como um lugar reservado e sagrado, onde o próprio homem branco possa saborear o vento perfumado pelas flores da pradaria.

Assim pois, vamos considerar a oferta para comprar a nossa terra. Se decidirmos aceitar, será com uma condição: O homem branco deverá tratar os animais desta terra como se fossem seus irmãos. Sou um selvagem e não compreendo outros costumes. Eu vi milhares de búfalos a apodrecer na pradaria, abandonados pelo homem branco que os abatia de um combóio em movimento. Eu sou um selvagem que não compreende que o cavalo de ferro fumegante possa ser mais importante do que o búfalo que nós, os índios, matamos apenas para o sustento de nossa vida.

O que seria do homem sem os animais? Se todos os animais desaparecessem, o homem morreria de uma grande solidão de espírito. Porque tudo quanto acontece aos animais não tarda a acontecer ao homem. Todas as coisas estão relacionadas entre si.

Deverão ensinar aos vossos filhos que o chão debaixo dos seus pés é feito das cinzas dos nossos antepassados. Ensinem aos vossos filhos o que temos ensinado aos nossos: que a terra é nossa mãe. Tudo quanto fere a terra fere os filhos da terra. Se os homens cospem no chão é sobre eles próprios que cospem.
Uma coisa sabemos: a terra não pertence ao homem, é o homem que pertence à terra. Disto temos certeza.
Todas as coisas estão interligadas, como o sangue que une uma família. Tudo está relacionado entre si.

Tudo o que acontece à terra acontece aos filhos da terra. Não foi o homem quem teceu a teia da vida, ele não passa de um fio da teia. Tudo que ele fizer à trama, a si próprio fará. (...)
Nem o próprio homem branco pode escapar ao destino comum. Apesar de tudo talvez sejamos irmãos, veremos. Mas, nós sabemos uma coisa, que o homem branco talvez venha a descobrir um dia, o nosso Deus é o mesmo Deus. Ele é o Deus dos homens e a Sua misericórdia é a mesma para o homem de pele vermelha e para o homem branco. A terra é preciosa aos olhos de Deus e quem ofende a terra cobre o seu criador de desprezo. O homem branco perecerá também e, quem sabe, antes de outras tribos. Continuem a macular o vosso leito e irão sufocar nos vossos desperdícios.

Mas na vossa perdição brilhareis em chamas ofuscantes acendidas pelo poder de Deus que vos conduziu e que, por desígnios só por Ele conhecidos, vos deu poder sobre estas terras e sobre o homem de pele vermelha. Este destino é para nós um mistério. Não o compreendemos quando os búfalos são massacrados, os cavalos selvagens subjugados, os recantos secretos das florestas ficam impregnados do odor de muitos homens e as colinas desfiguradas pelos fios falantes. Onde está a floresta virgem ? Desapareceu. Onde está a águia ? Morreu. (...)

É nestas condições que vamos considerar a oferta da compra das nossas terras. E se aceitarmos será apenas para ficarmos seguros de recebermos a reserva que nos prometeram. Talvez aí possamos acabar os nossos dias e quando o último homem de pele vermelha tiver desaparecido desta terra, e a sua recordação não for mais do que a sombra de uma núvem deslizando na pradaria, estes lugares e estas florestas abrigarão ainda os espíritos do meu povo. Assim se vendermos as nossas terras amai-as como as temos amado e cuidai delas como nós cuidámos. E com toda a vossa força e o vosso poder conservem-na para os teus filhos e amem-na como Deus nos ama a todos."

“Talvez Sejamos Irmãos” – trechos da carta resposta do Chefe Índio Seattle à proposta de aquisição das terra onde vivia a sua tribo do Presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Pierce – 1854.

"Os Índios Duwamish habitavam na zona norte do actual estado de Washington, cuja capital Seattle tem o nome do Chefe Índio que proferiu o discurso, conhecido como a Carta do Chefe Índio, que é considerada como um dos mais belos manifestos ecológicos. Após a cedência das terras os índios Duwamish migraram para a reserva Port Madison onde está sepultado o Chefe Seattle."

Parabéns Renan


Parabéns Renan, parabéns bravos brasileiros que o absolveram.

Hoje não falo nada, ou melhor, vai uma pizza?


Novos "aires". Novas reflexões...


Nossa finalmente postando no rotineiro depois de uma semana ausente. Estava essa semana em Bs. As. (buenos aires) para um congresso de Rel.Internacionais e uma das coisas que ví muito por lá foi a exaltação à certas figuras como Evita Perón, Ernesto CHE Guevara e, é claro, Mafalda. Evita pelo seu cuidado com a população mais pobre do país, no governo de seu marido, Juan Perón, exerceu Evita importante ações sociais que a tornaram popular entre as camadas mais populares. "Eva Perón foi, na verdade, a única voz retumbante no coração do povo pobre e trabalhador da Argentina; foi, para os miseráveis, a única referência confiável e capaz de unir, se quisesse, com um gesto apenas, todas as vontades em uma só, todas as vozes em uma só, a voz do povo explorado e expoliado pela classe rica e insensível às suas necessidades mais elementares. Este milagre, só Evita conseguiu operar." Che, importante revolucionario, teve influência e atuação não só na Revolução Cubana como na Argentina também.

..."Tendría muchas cosas que decirte a ti y a nuestro pueblo, pero siento que son innecesarias; las palabras no pueden expresar lo que yo quisiera, y no vale la pena emborronar cuartillas. Hasta la victoria siempre! Patria o muerte!.Te abraza con todo fervor revolucionario." CHE

En su despedida, a Fidel Castro y el Pueblo Cubano, antes de viajar a Bolivia. 1965

Fervor revolucionário, como isso nos falta hoje em dia, principalmente nos jovens, não que devamos morrer pela pátria como diz Che acima, mas defender nossos direitos, defender nossas convicções, buscar modificar a realidade. Mas parece que hoje a juventude não se preocupa muito com isso, inclusive lá mesmo em Bs. As. os jovens parecem mais preocupados em parecerem europeus e usarem as roupas de roupa mais transadas, ou ir a balada mais quente do que a preocupar-se com a polítca do seus país e a situação de díspares realidades sociais de sua cidade. Claro que como viajei para lá para ir a um congresso de Relações Internacionais ví muitos jovens reunidos para entender a política que nos cerca, mas daí para tomar a a atitude de modificar algo...é outra coisa.

Também fiquei impressionada como o Brasil externamente, tirando a imagem de fio-dental/ caipirinha/futebol/carnaval que nos cerca, tem uma imagem de potência (no contexto América do Sul, claro) e a Argentina busca equiparar com o Brasil nesse ponto, mas ao mesmo tempo vê-se como é importante para nós todos da América do Sul nos unirmos sem "Richas" nem disputas formando um grupo sólido de países que se entendem e que fortalecendo o MERCOSUL possam conseguir modificar seu peso ìnfimo no cenário internacional.

Nesse congresso falou-se muito do Brasil como autosuficiente na parte energética, como alto produtor de Etanol e como o Brasil usa isso a seu favor na mesa de negociações, a própria Argentina agora quer iniciar uma produçaõ dessa natureza. O fato é que sem união não há desenvolvimento.

Bem acabei falando de um monte de coisa e talvez nem tenha tido um raciocínio lógico, mas é que fui fazendo uma reflexão acerca do que essa viagem me proporcionou e foi isso que saiu...uma desordem de pensamentos, sobre uma diversidade de coisas.

Fico então por aqui com Mafalda, pra terminar com, pra mim, uma das melhores expressões sociais/políticas da Argentina:

Vazio


Hoje assiti o filme Apocalypto e em certo momento um velho sábio índio conta uma lenda e ela termina assim: "Eu vi um vazio no homem, grande como uma fome que ele nunca vai saciar. É isso que o deixa triste, é isso que o faz querer mais. Ele vai pegando e pegando, até um dia em que o mundo dirá: 'Não mais existo e nada mais tenho para dar' "

Comecei a refletir sobre isso, não foi a primeira vez que ouvi falar nesse vazio do homem, principalmente nos dias de hoje onde o consumismo desenfreado e a alienação das pessoas atinge níveis preucupantes.. Comprar, comprar, esconder o vazio interior, triste sina dos homens modernos. Infelizmente nossa raça não sabe parar, como disse o velho índio, e algum dia esse mundo não vai mais aguentar.

Destruímos a natureza, viramos as costas para a violência, ignoramos a morte de milhares. Guerras por petróleo, mentiras e mais mentiras. Mundo corrompido por um só animal, o tal do superior, aquele que deveria controlar os outros, mas que infelizmente ainda não saiu da era das cavernas e só sabe matar e matar.

Mantando a vida, matando a esperança, matando a alegria, até que um dia tudo irá parar, pois o homem não terá mais o que matar. O mundo será o vazio do homem, que não soube se controlar. Esse buraco negro chamado Estados Unidos então finalmente vai sair vitorioso.

O triste é ver que aceitamos tudo isso, ninguém da a mínima se jogam lixo nos rios, as peruas ainda usam casaco de pele, comemos merda industrializada de grandes multinacionais cujos donos nem sabemos os nomes. E os governantes? Roubando. E os artistas, exemplo da criançada? Drogando-se. E as crianças? Foram pra guerra. E os poucos seres pensantes? Estão por aí, talvez me ajudem algum dia, e aí poderíamos realmente fazer a diferença..

Alguém que simplesmente tenha a vontade de mudar ja ajuda nesse mundo onde o Norte já virou Sul. Aqui nessa Terra de ponta cabeça, onde o homem.. esse tal de homem.. já virou bicho.

.

Como é bom voltar ao Rotineiro! Hoje a música é do Tom Jobim - Eu não existo sem você. Música muito linda, mas é isso, um abraço!

Voltando

Finalmente voltando ao Rotineiro, o post abaixo foi só pra divulgar aquela premiação. É dificil escolher um tema para falar hoje. Estou de ótimo humor numa semana de férias, sem a rotina pra me escravizar. Como é bom essa sensação de comandar, fazer o que eu quizer a hora que eu quizer... Quem dera se o mundo fosse assim.

Mas infelizmente continuamos olhando pro relógio
Correndo para não nos atrazarmos
Com as correntes nos pulsos
Escravos das horas e dos minutos.

O mundo continua triste lá fora, pouco mais de 2 meses para o vestibular, tão focado estou que a única coisa que penso em escrever aqui são relações trigonométricas. O sistema está me puxando cada vez mas ferozmente, chega até a machucar. Meus amigos já se conformaram em ter uma vida "boa" com trabalho e família. Enquanto isso continuarão sugando nossas vidas, roubando nosso dinheiro, matando inocentes.. Mas um dia isso vai mudar, enquanto uma pessoa conseguir ver além existirá esperança.

A falta de criatividade me atingiu essa manhã. A Pri viajou vou cuidar do Rotineiro por enquanto. Aos poucos vou voltar a passar pelos seus blogs, tenho que arrumar muita coisa por aqui ainda. Por enquanto é isso. Beijão!

*Pelo menos a música é boa, Coldplay - The Scientist

Tempo

É faz um tempo que não passo por aqui. Meu pc tinha fritado e não tinha como eu postar. Nesse meio tempo o Rotineiro recebeu um prêmio, quem nos concedeu o premio foi o amigo do blog:

http://gritodosonambulo.blogspot.com/


"Este prêmio é uma tentativa de reunir os blogs que são adeptos aos relacionamentos "inter-blogs" fazendo um esforço para ser parte de uma conversação e não apenas de um monólogo.Antes das regras, vale aqui uma definição de SCHMOOZE, vocês não vão encontrar facilmente o termo em algum dicionário convencional.
Schmooze: (Verbo) fofocar, jogar conversa fora, trocar idéias. (Substantivo) conversa, bate-papo.
Assim, de uma maneira mais ampla, o termo é aplicado à nós, blogueiros, que buscamos um relacionamento, uma conexão social com os outros blogs e blogueiros, gastamos um tempinho visitando e comentando nos outros espaços, travamos um certo nível de amizade com os outros. Os bons schmoozers tem uma habilidade natural, dentro e fora da blogosfera, de fazer amigos novos ao longo do caminho. Não limitam suas visitas somente ao blogs de sucesso mas, gastam algum tempo para dizer um "oi" aos blogs novos também. São esses que incluem outros nas conversações "inter-blogs", seja mencionando, linkando ou trocando banners, seja convidando para memes e desafios. Digamos que sejam blogueiros "camaradas".
Regras:
1. Se, e somente SE, você receber o "Thinking Blogger Award" ou "The Power of Schmooze Award", escreva um post indicando 5 (cinco) blogs que tem esse perfil "schmoozed" ou que tenha te "acolhido" nesta filosofia. (se não entendeu, leia a explicação no parágrafo anterior de novo).
2. Acrescente um link para o post que te indicou e um para o post do Mike, para que as pessoas possam identificar a origem deste meme.
3. Opcional: Exiba orgulhosamente o "Thinking Blogger Award" ou o "The Power of Schmooze Award" com um link para este post que você escreveu."
O idealizador do tema : Mike
E nomeio, com toda a honra e poder me concedido nesse momento para tal ato, como portadores do Power of Schmooze os demais blogs: http://cartapralonge.blogspot.com/
http://palavrasdeummundoincerto.blogspot.com/
http://www.pequenoinventario.blogspot.com/
http://relesponsabilidade.blogspot.com/
http://mulherdopadreblog.blogspot.com/


*Esse post é só pra divulgar o prêmio.


Conjugação do verbo SER no Presente IMperfeito

ou ainda: a "coisificação" do ser





Sou uma etiqueta

Sou uma marca

Sou um símbolo

Status



Sou uma ferramenta

Sou uma engrenagem

Sou funcional

Tenho utilidade

Capitalismo

Sou a Pressa

Sou a Busca

Sou a Futilidade

Sou a Inquietude

Rotina
Somos o Tudo

Que se torna Nada

Somos Máquinas

dessa economia

Meios de Produção

Escambo

Dinheiro
Somos Consumo

Somos Desejo

Gana e Vontade

Esponjas

Absorção em massa

De cultura desculturalizada
Somos o Tudo

Que se torna Nada

O que falta em sensibilidade

Nos sobra em anseios

O que nos falta em moral

Nos sobra em dinheiro
O que nos falta em...

O que nos falta?
Somos...

O que...

Somos?

Complexos Animais


E nessa triste ilusão de acordar com alegria me perco
Perdendo também as esperanças no mundo;
Olho em volta, a rotina os engole
Continuam vivendo, cuidando da prole

Simples humanos, complexos animais
O poder de escolher, de pensar nos difere
Somos superiores... Mas ainda perdedores
Olhando para o próprio umbigo, ferindo
Matando
Roubando
Acabando com o planeta que chamamos de Terra
Destruindo-nos em uma infindável guerra.

Mas para onde vamos? Aonde chegaremos?
Não consigo entender o porquê,
Se o mundo era tão perfeito, porque comer a maça?
Podiam simplesmente ter esperado o amanhã.


Os dias se repetem, a rima continua
Corações pulsantes
Mentes errantes
Humanos falantes

As crianças ainda brincam, os adultos ainda conversam
A alegria ainda existe
E por mais que não se entenda
Por mais que ninguém compreenda
Ela ainda está la...
Brilhando em cada olho, seja na fome
Seja na guerra.
Na água ou na terra,
Ela ainda está lá, aliviando a dor, nos enchendo de amor
Dando força
Erguendo nossas cabeças para mais uma luta diária
Ela, a esperança.

Um dia melhor virá,
O sol ainda nascerá
Os passaros cantarão
E mesmo que deixemos que nos assassinem com seus poluentes
nos matem de fome na África
Matem nossos animais, matem nossas crianças
Criem bombas atômicas
Calem as nossas bocas
Batam em nossas caras,
Ainda estaremos lá, pois somos esses tais de homens
Esses complexos animais.


Desculpem eu não sou poeta, eu sei que não ficou bom, mas hoje é segunda-feira, mereço um desconto.. ;D
Hoje vou deixar uma música bonita da Ana Carolina - É isso aí (Vou no show dela!!)

Beijão, Hugo.

Um Brilho na Rotina

Estava voltando do ensaio do teatro, hoje a tarde, no ônibus ouvindo "kiss of a rose" no meu mp3... a chuva estava passando, ou pelo menos caia mais fina...as pessoas no ônibus estavam eufóricas conversando alto e eu tentando me concentrar ouvindo música.
Olhei pela janela. Os carros cruzavam a avenidade velozmente e as pessoas nas ruas andavam apressadas apesar de ser domingo à tarde, nas paradas de ônibus porém, algumas conversavam calmamente...
Olhei para o céu estava meio azul, meio cinza, mas entre as nuvens e a massa de poluição que parecia cobrir a cidade eu o ví. Um arco-íris cortava o céu e junto com ele raios solares apareciam timidamente por entre a chuva que diminuía. Aos poucos o arco-íris foi ficando mais forte e mais colorido e eu completamente apaixonada com aquela visão. As nuvens, a poluição cinzenta do céu iam ficando desfocadas e os raios solares aumentavam.
Tirei uma foto com o celular encantada com a cena, olhei ao redor. As pessoas não pareciam tão encantadas quanto eu, na verdade, parece que ninguém notava aquele espetáculo que surgia diante de nossos olhos. Na rua pessoas continuavam a andar apressadas, carros continuavam a buzinar e ninguém reparava no que estava se passando a não ser eu.
A rotina muitas vezes nos fadiga, nos sufoca, nos cansa. Acabamos sempre correndo demais e aproveitando de menos. Corremos mais para chegar mais rápido, trabalhamos mais para ganharmos mais dinheiro, gastamos mais para termos mais coisas, temos mais coisas para nos satisfazermos mais, e ao fim continuamos do mesmo jeito, quer dizer, no final, acabamos mais deprimidos. Perdemos então coisas simples como um arco-íris num dia chuvoso, ou um jardim florido numa manhã monótona...pela pressa, pela ambição, pelo "ter que ter" perdemos de viver e de reparar os pequebos presentes que a vida nos oferece...
O ônibus seguiu com seus passageiros abusados, agoniados, faladores, as avenidas com seus carros velozes, seus semáforos agoniados, suas buzinas agitadas, seus pedestres nervosos, mas eu vislumbrei aquele presente e toda a fadiga e cansaço que me possuiam pela correria da semana sumiram enquanto aquele arco-íris timidamente fazia seu papel de abençoar mais um dia em nossas vidas.

A pílula vermelha


Ontem tive aulas de filosofia, que me serviram de inspiração pro texto de hoje. Alguns talvez ainda me comparem com o Gaúcho, fazer o que. Vou filosofar um pouco..
Platão deixou alguns milhares de anos atrás um mito para nós, o mito da cavera, muitíssimo conhecido, onde ele fala que todos vivemos em uma caverna presos a correntes, vendo na parede apenas sombras do mundo real, acreditando que aquilo é a verdade. Mas alguns conseguem se libertar, sair da caverna. Esse mito é uma coisa tão significante que o estudamos até hoje, eu particularmente o adoro.

No filme Matrix é a mesma coisa, mas lá estamos todo servindo de pilhas para máquinas, vivendo em um mundo virtual, acreditando em mentiras. Mas isto não é tão diferente da realidade né? Vemos muitas pessoas completamente alienadas, que não sabem nada, e eu não estou falando apenas das classes baixas, os ricos atuais também são muito burros, fechados em seus mundinhos particulares. As pessoas simplesmente se acomodaram a viver acorrentadas, poucas ainda têm a vontade de se libertar. E isso é muito triste.

Simplesmente implantam idéias nas nossas cabeças, como na Matrix, fazendo de nós simples andróides, sempre prontos a obedecer, servir... A parede da caverna já se tornou real para a maioria das pessoas, elas simplesmente acreditam que devem seguir um modelo, um padrão. Mas o que é esse padrão? O que é que esperam de nós?

Esperam que sejamos seguidores do sistema, é simples. Devemos ser do "bem". E o que é ser do bem? É ser correto. Mas o que é ser correto? Fazer as coisas certas. E o que é certo? Tá chega. Não sei se vocês conseguiram me entender, mas eu queria apenas dizer que não existe esse tal de "correto", pois não existe uma só verdade.

Não beba, não fume, não grite, não ria alto, não fale palavrão, estude, trabalhe, compre, obedeça, não entenda, apenas faça, siga, copie, ensine à seus filhos, acredite, não questione, apenas faça, não pense, não se divirta, apenas trabalhe, não viva, não ame, não fale "eu te amo" para seus amigos, é muito gay, não tente mudar, não entenda, apenas faça, não quebre as regras, tenha medo, preucupe-se com o que vão falar de você, eles estão te olhando, tenha vergonha de ser feliz, tenha vergonha de viver, tenha vergonha de ser você, não pergunte, não entenda, não pense, apenas faça. Eu não estou a fim de ser assim e você?

Aos poucos eu estou conseguindo abrir os olhos fora da caverna, a luz é muito intensa mas aos poucos me acostumo, muitas pessoas também aos poucos arrebentam suas correntes, com toda a fúria interior, correndo para a liberdade. Mas sempre existirão os que preferem ficar lá, os que não suportam ouvir algo diferente do que lhes foi ensinado, e eles são a maioria, temos que ajudá-los.

"O mundo é dos loucos", daqueles que conseguem inovar, então não tenha medo de ser você, esse mundo tem muito para mudar, e o início de tudo é abrindo as cabeças. Temos que deixar de lado a opinião alheia, aliás o que é a opinião alheia? É a inveja de pessoas que não tem coragem, que não suportam ver vitalidade e felicidade em alguém, simples seguidores. Todos estão cansados da mesmice, atualmente o que vale é a originalidade, então se aquela patty te acha um merda que não gasta 700 reias em um tênis, sorria, simplesmente tenha pena dela e de todos que pensam assim. Não precisamos provar nada para ninguém. Tá afim de andar pelado? Não se preucupe você não vai matar ninguém. Tá afim de correr por aí gritando? Não você não vai morrer. Tá afim de encher a cara com os amigos? Não, seus pais não vão te matar. Tá afim de mudar? Então me de a mão, vamos lá!

Está na hora de quebrarmos as regras (não eu não estou falando de cometer crimes), pois, como já venho falando faz eras, somos o futuro desse planeta. Não quero começar mais um discurso revolucionário, vou parar por aqui por hoje, mas só pra finalizar, o que você decide, tomar a pílula vermelha e ver a realidade ou a pílula azul e continuar na ilusão?

Um beijão, vou deixar a cena da pílula do Matrix, não consegui achar legendado... Ah, só mais uma coisa, ninguém é obrigado a concoradar com o que eu escrevo, té mais!