Adeus 2007

Eu sei que prometi um post elaborado, mas não deu tempo de pensar em um. 2007 foi o melhor ano da minha vida, iico meio triste por ter passado tão rápido...
Foi um ano difícil, com várias tragédias, mas como sempre parece que o ser humano superou tudo, pelo menos parece ter superado. O mundo vai continuar uma merda é verdade, mas no meio de tudo isso continuaremos a nossa luta diária em 2008. Eu continuarei com meu sonho de melhorar - nem que seja só um pouquinho - esse mundo.
Desejo a todos muita paz. Ano que vem o Rotineiro volta com tudo! Obrigado pela compania nesse ano maravilhoso!

Um forte abraço.


*Devido a viagens não sei quando vou poder postar novamente, talvez a Pri faça isso a próxima vez. Pra terminar uma música que inspira uma das coisas mais lindas e importantes que possuímos, a esperança. Não vamos deixar que as cenas desse video se repitam.

War is over if you want it!
FELIZ NATAL!

Com muita alegria e paz para todos! O próximo post vai ser o último do ano e vai ser mais caprichado, esse vai ser só pra isso mesmo. Tudo de bom pra vocês!


Longe

Estamos prestes a comemorar o Natal, época de alegria e paz. Isso para nós que estamos em um lugar abençoado e sem guerras. O Natal para muitas crianças no mundo será apenas mais um dia de trabalho, ou mais um dia de guerra, de fuga, de mortes. Hoje comprei um livro que recomendo a todos, "Muito longe de casa (Memórias de um menino soldado)", que é a história do autor Ishmael Beah, um sobrevivente das guerras internas da Serra Leoa. Ele foi um menino-soldado e sofreu muito com a guerra, ainda estou no começo do livro mas já virou uma das minhas obras favoritas. Isso me fez pensar de novo nesse mundinho que vivemos, onde o respeito está indo por água a baixo. Não pensamos em mais ninguém, só nas coisas, nos objetos, milhões de anos de evolução pra isso? Não adianta, nunca vou me acomodar com essa sociedade...


Hoje tembém tive notícias do meu pai, o que me deixou mais pra baixo. Ele é separado da minha mãe e eu achava que ele ainda tava na Amazônia, mas ele está em SP cuidando do caso daquele colombiano. Sabe, eu acho que essa é a minha maior dor, a rejeição. Ele não queria responsabilidades, não queria um filho. "Não nasci pra isso" e depois largou minha mão comigo bebê. Sempre quando eu vejo algum babaca que engravida uma menina e não quer assumir o filho eu sinto ódio, pessoas que sempre tiveram uma família e que nunca valorizaram isso. No livro o guri perde toda a família, eu não consigo imaginar isso, a dor que é ser sozinho.

De um lado existem pessoas tão imbecis nesse mundo, que só pensam em coisas inúteis, mas do outro existem os que realmente farão diferença, como você que está lendo isso. Alguém que pare pra pensar um pouco pode se considerar alguém. Quem sabe um dia tudo isso mude?

Hoje só consigo pensar nas crianças sem lar, no Natal triste que elas terão, na marginalização que sofrerão. Só consigo pensar nas guerras e nos porquês das guerras. Só consigo pensar que se quizermos ainda podemos acabar com isso. Como eu já disse aqui um tempão atrás, tudo começa de um sonho.

Bom, mudando de assunto a Pri me deixou mais um prêmio maravilhoso, e esse eu adorei! "Escritores da liberdade", obrigado pelo presente de natal Pri! Ah, ela vai passar um tempo longe dos blogs agora, vai fazer muita falta né?!


"Todos temos blogs pelo fato de gostarmos de escrever. Por prazer, profissionalismo, ou qualquer motivo pessoal. E a maioria gosta de escrever para liberar algum sentimento profundo, seja ele bom ou ruim. Escreve para se encontrar, para analisar a situação depois de algum tempo, ou naquela mesma hora, e também por essa paixão de pôr tudo no "papel". E estou chamando esses blogueiros de Escritores da própria liberdade. Escritores sim, mesmo que amadores, que escrevem suas emoções, que não guardam tudo para si. Que compartilham tudo com pessoas muitas vezes estranhas(entre as conhecidas)... Escritores que admiro muito, por vários motivos, que se destacam de um jeito único, para cada uma das pessoas que os conhecem. Blogueiros que publicam a sua liberdade de expressão.” (Batom Cor-de-Rosa)

Ofereço esse prêmio à Kari, ao Jornal O Coletivo, à Munique na eperança que ela volta ao blog, à Fernanda e o ultimo quebrando as regras ofereço a você leitor, que pode não ser um escritor, mas tenho certeza que almeja a liberdade.

Um forte abraço.

:)

"O tempo passa, o tempo voa..."

Mais um ano que se finda. Mais um ciclo que se fecha. Não sei quanto a vocês mais para mim esse ano passou voando, por isso estou achando mais que estranho ter que abrir mão tão cedo do mesmo, ainda erro o ano quando vou colocar a data em qualquer situação, me sinto em 2006, na verdade para mim desde 2000 que o tempo voa.
Nossa, me lembrei agora que já fazem 7 (agora beirando 8) anos que vivemos além de muitas profecias que findaram nossa época com a passagem 1999/2000. Pois é e em 2001 o século XXI veio e apesar de tantos avanços tecnológicos ainda não vivemos espacialmente como em "2001:Uma odisséia no espaço" ou o ainda não estamos no "Planeta dos macacos" (ainda bem!). E na verdade muitos dos problemas que arrasaram o século XX ainda encontram-se devastando o mundo sem solução, ou sem iniciativa para acabá-los. Ainda temos escravidão de menores e maiores, fome, miséria, violência (sexual, física, moral) e guerras. Não vivemos ainda a Terceira Guerra Nuclear e, por pouco nos salvamos de mais uma catástrofe atômica, que agora arrasaria o mundo por completo, e não só duas cidades.

Bem mais essa ainda é a primeira década de um novo século, de uma nova era, ainda há muito que acontecer e muito para se mudar. E que possamos não só sentar e esperar para ver, mas também fazer acontecer. Porque como diz Lenine em uma de suas músicas "ninguém faz idéia de quem vem lá", ninguém sabe de quem pode partir a semente da modificação.

Deixo aqui um texto de Carlos Drummond que achei na internet:


Sentimento do Mundo

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transigena confluência do amor.

Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.
Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,eu ficarei sozinho
desfiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microscopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanheceresse amanhecer
mais noite que a noite.

E finalizando...
Fernando Pesssoa, assinando com Álvaro de Campo escreve:

"Não sou nada
Nunca serei nada
Nunca poderei querer ser nada
Á parte isso
tenho em mim todos os sonhos do mundo!"

Bem, que possamos ter a consciência de que não somos esse "nada", somos "alguém"! Alguém que pensa, que fala, que escreve, que tem opiniões, que existe! E que somente através de nós nosso sonhos podem tormar forma e assim, modificar a nossa realidade, nem sempre tão justa, tão certa, tão feliz.

Fim da História

Pois é amigos não passei! Mas hoje não me matei de chorar igual no dia da federal, a vida já andava uma merda mesmo, um pouco a mais um pouco a menos... Pelo menos o ano valeu a pena! Muita diversão, muita loucura! Se bem que eu trocava tudo por meu nome naquela maldita lista. 225°, será que 99 candidatos irão desistir? Ah isso é no próximo capítulo!

E o Natal? Ta chegando né, tenho que comprar um presente pro meu amigo secreto ainda, comprar, comprar, comprar, comprar, tudo se resume a isso.

Hoje fiz uma coisa diferente (obrigado é verdade) fui no balé (HAHA) e foi legal! Alguns diriam que estou adquirindo cultura com isso, que seja. Agora chega de falar de mim, era só pra dar notícias mesmo, já que andei sumido né?

Como hoje é sexta, vou deixar um textinho bem leve ok?
.
Um dia sonhei em voar
Mas meus pés não saiam do chão
Com força comecei a pular
Imaginando-me um avião
.
Um dia sonhei em viajar
Mas dinheiro não tinha na mão
Com vontade fui trabalhar
No fim do mês não sobrava um tostão
.
Um dia sonhei com o mar
Os peixes, a praia e o gavião
Lembrei-me que não sei nadar
Afoguei o meu coração
.
Não desisti de sonhar
Mamãe me deu persistência e determinação
Juntei dinheiro para poder viajar
Guardei tudo praquele verão
.
A água doce dos meus olhos se misturou à salgada do mar
Sem saber nadar as ondas me levaram com a emoção
Logo senti o vento no meu rosto e meu sonho a se realizar
"Abre os olhos que agora você voa meu irmão"
.

Tá ficou meio infantil, mas é um poeminha pós-traumatico que eu consegui fazer 1:31, hehehe. Um beijão, e um abraço. Prometo que passo no blog de vocês o quanto antes!


* Um vídeo pra pensarem, assistam se puderem (música do Johnny Cash):

Férias

Com essa coisa de não ter mais nada pra fazer acabei esquecendo do Rotineiro. Pois é, férias finalmente. Não sei se já comentei por aqui que não passei na federal, agora só estou esperando o resultado da ultima universidade que eu tentei, é depois de amanhã e eu já tô nervoso.
Não sabia muito bem o que escrever hoje, estou completamente alienado do mundo e dormindo demais, ou seja, sem um assunto legal. Aí pensei e pensei, só veio Natal na minha cabeça, mas a Pri já falou disso. A música do Yeah Yeah Yeahs invadiu minha cabeça e comecei a pensar nesse ano todo que passou. O cursinho, os amigos, os inimigos, as gurias, as festas, as decepções, as felicidades, e como tudo isso valeu a pena. Como cada mínima coisinha vale a pena.
Aliás tudo vale a pena não é mesmo? Ou vai dizer que tua alma é pequena?! HAha, ta foi horrível, mas não tenho nada pra falar mesmo.. Vou tentar fazer do Rotineiro uma rotina novamente! E pra terminar uma coisinha tosca:

HAHA

Vou tentar postar coisas legais nas férias, pelo menos enquanto eu estiver em Curitiba! Um abraço do rotineiro ambulante! ;D

* Yeah Yeah Yeahs - Down Boy (ao vivo)

Dezembro bate à porta.

E estamos em dezembro. O tempo passou rápido não é verdade? Parecia ontem que anunciava-se o carnaval e aqui em Recife o frevo invadia as ruas da cidade. Mas agora já é Dezembro.
O ano está terminando e com ele se aproxima um novo ano, de novos desejos, promessas, felicidades, frustrações, alegrias, tristezas, emoções.
Mas antes do mesmo terminar, passaremos pelo Natal, sim, os vendedores já se emocionam com o volume de dinheiro que irá se arrecadar em tão pouco tempo nesse mês de Natal. Na TV especiais de Natal já são montados, e as propragandas de produtos ficam cada vez mais apelativas. Os desenhos trazem Papai Noel, a grande imagem do Natal. Interessante não é, que o Natal só existe para comemorar o nascimento do Cristo e quando pensamos em Natal, a primeira coisa, automaticamente, que vem a nossa mente é um velho barbado com suas calças vermelhas largas, seu gorro, e uma sacola cheia de presentes sendo empurrada pela chaminé. A e é claro o pinheiro enfeitado. Estou mentindo?
E o pior é que nem nevar auqi no Brasil neva, pelo menos por aqui no Nordeste é um calor descomunal, e a árvore da estação não é o pinheiro, mas a manga. Mas ninguém enfeita um pé de manga no Natal. Não, compram-se pinhiros postiços e penduram-se mil enfeites e piscas, espera-se por Papai Noel, e só não se arranja neve postiça, porque não dá, ainda.
Mas e o nascimento de Cristo? Pelo menos para aqueles cristãos há o significado de que a noite de Natal serve para comemorar seu nascimento, onde toda a família reúne-se em volta de uma mesa para ceiar. Infelizmente nem todas, muitas não tem o que comer diariamente, que dirá no Natal.
Mas para todos aqueles que acreditam na vinda do Cristo com sua lição de amor, Natal é um período de renovação, de nascimento, para mim, é o renascimento de um esperança. Assim como naquela época o mundo se via envolto em uma áurea de desamor e violência e Cristo nasce levando sua mensagem de caridade, abnegação, amor, perdão, hoje nos encontramos em uma era em que a violência novamente se acumula, o amor se perde e o medo alcança nossos corações, Jesus nasce novamente nessa noite de Natal. Não estou aqui profetizando o retorno d'Ele, não quero entrar em credo de ninguém. Eu estou dizendo que na noite de Natal Ele nasce novamente mas em nossos corações, ou seja, sua mensagem de amor nasce novamente, mas em nós. Plantando em nossa alma a semente da mudança. Cabendo a nós planta-la, cuidá-la e fazê-la frutificar.
Que possamos deixar esse amor renscer e crescer, que possamos fazer dessa data um momento de repensar nossas atitudes, rever nossos sentimentos e não só de vivenciar uma troca de presentes. Que possamos fazer de nossos corações solo fértil para o crescimento dessa semente da mudança. Há tanta injustiça no mundo, você pode pensar como será capaz de modificar tudo, eu digo, peço, faça sua parte.
Essa pode ser somente mais uma mensagem de fim de ano pedindo uma renovação, que seja, mas que ela penetre em você como a semente da mudança que renasce no dia de Natal.




Muita Paz!