Perdendo a paciência.





"se tivéssemos embarcado numa montanha-russa e agora, na entrada do novo século , fôssemos apanhados pela vertigem do loop. Essa aceleração que é excitante, é também inconseqüente: vai aumentando as desigualdades entre os grupos e sociedades, multiplicando crises e violências e ameaçando o equilíbrio ambiental."



Sinopse do livro "A corrida para o século XXI. No loop da montanha-russa"; Nicolau Sevcenko.




Recentemente comecei a ler uma obra de Nicolau Sevcenko intitulada "A corrida para o século XXI. No loop da montanha-russa". Um livro que me despertou para o momento em que vivemos: a entrada de um novo século. Fechando quase uma década de existência do século XXI, nos deparamos com um imenso avanço tecnológico, acompanhado da contínua expansão capitalista e de um fenômeno nosso, já muito conhecido: globalização. Um fenômeno que nos faz pensar que com o avanço da tecnologia, todos estarão unidos em uma só vila , the global village, mas não é bem assim. Na verdade nesse novo século o que tem aumentado assustadoramente são as disparidades entre nações e classes sociais.

Outra coisa que percebemos é na velocidade das coisas. Certamente que se eu lhe perguntar o que lhe faz sentir no século XXI, você, possivelmente, responderá: a tecnologia (internet, celular, tv plasma, ipod...). Uma tecnologia que nos é vendida com a garantia de praticidade, de perder menos tempo, garantir mais conforto, de velocidade. Agora me responda, porque queremos tanto um computador mais potente, uma internet mais veloz? Por que não temos paciência. Certamente os usuários da banda larga não aceitariam deixar a velocidade da sua conexão por uma internet discada. E aqueles que usam a internet discada, certamente, se programam para adquirir uma banda larga.

O que estamos vivenciando nesse século, cada vez mais, é a perda da paciência. Usamos o internet banking porque não temos paciência de esperarmos numa fila. Realizamos pesquisas no google, porque não temos paciência de ir em bibliotecas e pesquisar nos livros. Nos comunicamos via telefone, celular, msn, orkut, email porque nunca, em nenhuma hipótese, jamais, esperaríamos dias para receber/enviar uma carta pelo correio. E muitas vezes usamos tais recursos porque não tem paciência de sair de casa e ir visitar a outra pessoa.

Até a TV /dvd/micro system... sem seu controle remoto seria inútil. Quem tem paciência de se levantar a todo instante para apertar um botão de mudança de canal, faixa ou para simplesmente aumentar o volume? E o microondas? Esperar meia hora, uma , duas num forno/fogão, quando em 10 ou 15 minutos o microondas resolve tudo?


Chamamos isso de praticidade, conforto e comodidade. Na realidade nos falta paciência. Ora o mundo em que vivemos não foi construído às pressas. "A natureza não dá saltos", já se diz. Mas o homem tenta sempre ganhar do tempo. Mas enquanto tentamos construir edifícios ou fabricar produtos na base da eficiência (menos custo, menos tempo, maior lucro), a natureza segue com suas criações em um diferente conceito de eficiência (maior qualidade, maior dedicação). Uma árvore não cresce e dá frutos da noite para o dia. Uma flor não desabrocha de repente.


Agora imaginemos se a natureza decidisse acompanhar nosso ritmo: certamente a Terra e demais planetas girariam cada vez mais rápidos. E em nosso caso um ano não seria mais 365 dias, quem sabe 365 minutos? E uma rotação terrestre não duraria 24 horas e sim, quem sabe, 24 milésimos de segundo. E a nossa vida já corrida e alucinada (apesar da proposta de que a tecnologia nos faria ganhar tempo) seria um simples e curto lampejo na eternidade. Bichos, plantas e nós seres humanos, teríamos um nascer, envelhecer, morrer, tão instantâneo como a passagem de um cometa.

Devemos então seguir o exemplo da sábia natureza, e desacelerar, viver mais, viver melhor, ter paciência em troca de mais tempo para se aproveitar o lado bom da vida, e assim garantir sua qualidade.

Deixo-os com a Paciência de Lenine:



P.S:Aproveito para dedicar esse post ao meu amigo Hugo, companheiro e idealizador do Rotineiro, que no último dia 21, completou mais um ano de vida!