Perseguindo utopias

Faz quase duas semanas que sou um estudante efetivo da Universidade Federal do Paraná. Confesso que não entendia muito bem o que era realmente estar no ensino público, fazer parte de um todo muito maior, ser cidadão. Não sabia o que esperar do Direito lá, principalmente após a grande desilusão que a faculdade privada me trouxe. Porém, desta vez foi diferente. Ouvi pessoas que querem mudar o mundo, pessoas que querem ajudar, pessoas que querem efetivamente fazer justiça e não uma maioria estribada e, desculpem o termo, burra que apenas corre atrás do capital.

Diversidade é a palavra carro-chefe na universidade, classes sociais, cores e ideais não uniformes perambulando pelos antigos prédios. Alguns podem dizer que tudo aquilo é apenas uma fábrica de diplomas, mas eu ainda acredito que é um local de conhecimento.

Estudar na UFPR é o meu primeiro passo, o que por muitos é dito impossível, inatingível. Nada é inatingível. Quero, como todos da minha idade, a mudança. Do mundo? Não, o mundo é belo, quero mudar a sociedade, a qual a cada dia torna-se mais cega e manipulável. Ajudar é outra ambição.

Sei que é fácil escrever, a realidade não está em gramáticas ou dicionários, está ali na rua, onde o crack e a fome são parte da rotina. Entretando, acredito que com o estudo, com o conhecimento, tudo é possível, e espero poder fazer algo significativo para todos no futuro.

Utopia? Talvez. A Federal também era e de qualquer jeito eu adoro perseguir utopias.

- Música: Sunday Smile, da banda Beirut. Recomendo muito essa banda! :)