O que é viver?


"Mas, o que é viver?", pergunta Alain Badiou.

O menino surge das sombras. Há alguns minutos pisa firme no Marechal Deodoro e sua furiosa ideologia nacionalista-patriarcal. Percorre a madrugada a busca de sua essência vulcânica: auto-destruição. Foge deliberadamente das luzes e encontra na escuridão um refúgio emancipador. Dribla mendigos, travestis e os chamados "marginais". Compartilha alguns cigarros no caminho e estipula a si mesmo a redenção por tal caridade. Anuncia sua chegada a São Francisco. Não baixa os olhos molhados um segundo sequer, quer notar a notoriedade nula duma sobra na madrugada. É frio no verão. À sua direita Jokers e conhecidos, despista com um "vou encontrar o pessoal no Largo" e ruma fingissorridente. Acelera o passo por demasiada multidão sábado-noturna. Álcool, conversas, fumo, gente. Pó qu'inda não conheceu sua origem-nada e futuro-mesmo. Ao lado do Alemão poderia reconhecer alguns rostos - ou talvez todos - aquele bando de Mesmo inconfundível afundado no Nada-invida. Sobe mais e encontra-se. É pago com álcool e sorrisos, caminhos, amor e sorrisos. Sente-se Ali. Sente-se. À sua mente sua mãe e um diálogo infindável que lhe corroía imensamente:

– Por que você faz isto com você? Por que gosta de se auto-destruir?

– Eu sou assim.

– Por quê?

"Mas, o que é viver?", pergunta-se.

Ao caminho regresso, mesmo-sempre, derrete-se frívolo em lágrimas. Espanta o álcool com lamúrias e gente com desgraça. Escolhe os "piores" caminhos e torce. Alguém, alguém haveria de puxar o freio naquela noite, não aguenta mais. Dói-lhe a desnecessidade de resposta, o supremo conhecimento final perante a morte. Sabia demais e sabia que esse saber só lhe significava o fim. Cambaleia em marechais, generais, salvadores, santos e curitibanos ilustres. Homens e mulheromens-aceitas desnudos em ruas saturadas. É num beco solitário que avista sete homens cambaleando também em uníssono desespero. Não mais esquiva.

– Passa a grana!

– Não.

Abre a carteira e mete fogo em suas notas e documentos. Não precisava de nome ou bens, a iluminação é Nada-tudo, aceitava-a. Rasga as roupas e ri mais alto que um porco no matadouro. Estraçalha o celular no chão e provoca com a felicidade final. O último ato de um Ser. Cospem-lhe socos e pontapés, pintam-no de sangue e mascaram-no de osso. Rosto fundo no chão, come poeira e se torce em pó. Correm satisfeitos sete discípulos do Todo sistemático. Na manhã, poucos minutos além, fotografias e a percepção da brancura da pele e do não-estigma morto. Preocupação e manchete.

.

A mãe acorda num domingo ensolarado. Beija sua amada filha e ama o filho a distância. Procura o celular para conferir as horas passadas. Uma mensagem resta. Abre-a.

"Porque não há mais nada. Nada é estar vivo. Não me enganarei mais consumindo o Nada", responde-lhe o filho.

pavdor


miséria. loteria áspera: roda te me assola. giro inquieto, peão absorto. a( )fundo o marco de minha estagnação. 

hoje pão.

e aqueles mistérios da vida? calamos frente ao ópio mercadramático. traímo-nos, tralha-traindo. qual sub(in)stância aceita a fome? ingere a (c)alma e cospe!

hoje não.

um homem desce ao cais. são cinco horas de um tempo sólido. sua carne putrefata arrasta a sombra suja cuja vida ainda. uma mulher come pastéis, olhos atentos aos olhos desatentos -nem tanto-  transeuntes que esmolam-se aos gritos atenção, atenção, solidão! . um menino acorda despejado, esfolado, come sua carne em gesto-protesto. um cego discursa a inoperância da escrita, não reconhece o intocável/intangível/isto. uma menina acaricia os seios e procura uma explicação racional para não sentir qualquer prazer. trans(sexual)morr(idade)e. um animal foge instintivamente de meninos belosaudáveis acamp-onde?-ando. não-sabe de nascença os perigos hurmbanos. corre livremente sZeus pés-vivos na Vida. não questiona qualquer existência e vive em constante r?evolução. um casco lamenta o sangue nas ruas. o chicote fera carne. 

não mais.

urbes aceitos. havia um inocente medo. víamos ali um refugio. fósforo e cheiro de côco, alimento pouco e pele extensa: o seu amor é o paliativo da minha existência. o medo é:

que se rei sem?

F.W. [from mr. Joyce] unreading p.?:


(d)existê(ssê)ncia
mIlí(a)da

–whyle  mhe  rain,rain,rain


sê     r     est
allgo
va            go
t ra(s)go-  t
eu?

res  is  tens(i)a
,eminência!


milí(A)daSu(re)AS


que       m
eu/too...
f(r)om 
O......
s..   


?