círculo óptico


ao camarada aukai leisner




i.

teu pranto me acalma, olhos-viventes
mesmo doente um canto ressoa
anúncio-pessoa: premente ausente



ii.

cá findamos a complacente finitude
(inda que muito falte ao tanto-além)
teu manto me entende, olhos-videntes


clamo teu mestre e oro ao presente
olho-ausente. pronto aponto, ponto
à ponta Mesmo-vivente: há: sente



iii.

prático sê no ofício profético e
lívido sente o poético evidente:
costura-te a cólera, olhos-viventes


com todo recuo um processo
com toda récua um progresso:
não te traias com olhos-clementes


cumpre sereno teu destino-tudo
vivente presente: nunca-ausente
doa teu corpo ao que não-mais-será



MANIFESTO (projeto)



CAMALESSOMOS   TÍMIDOS   TÍMBRES
CRANIFEITOS        CARNE-SOFRIDOS           FA
CAÍDOS    ÍNTIMOS   DO   TOM   AS                TAL
TRAL.      COSMO-LÍMPIDAS    A-                    VEZ É
VES  RASGA-TUDO  ENTRE(S)C                       S  TAL  I- (N)
ÉU E O   MAESTRAL   TÉDIO                             LHA  VEZ  QUE
ANTES-ALA        ILUSTRE                                   SER(?)  ALGUISTO
DUM INTENSO   MÉDIO                                     –  AUGUSTASSÉDIO  –
RETENSO BERÇO EX                                            VEZ  QUE  TAL   ISTO  (D) AS
PLÊNDIDO  PLENO.                                             SOMBRA(S) UN HOMBRE EXTADO
PRESO        COMO                                                   EXTODO,    OLVIDO(R)    RIORRENTE
CAMA.       PRE-                                                       AUSENTE      SENTIMENTO      CIMENTA-
SOU     LEÕES                                                          DO  TODO  EXC[R[UDO.  AINDA  QUE  IN-
PRE(N)SA E                                                              SURJA  UM  CAMPO,      UM LONGO      ,  UM
CA(U)LE                                                                    LONGE,                SEJA SEMPRE SAÍDA, HA-VER
                                                                                      DESTINO E MISÉRIA E VISGO É A   [COISA-VIDA]




BERÇO
EXPLÊNDIDO




META-POEMA É POUCO E AS HORAS SÃO MUITAS. HÁ ÁREAS INACESSÍVEIS QUE COM-PARTILHAMOS A VONTADE. MEUS AMIGOS POUCOS GOSTARIAM DE EX-PERIME(N)TRO O NÃO-SER. CRIAMOS MUNDOS AO BUSCAR O VÁCUO: O SILÊNCIO IMPERA NA ARTE. A POLÍTICA O BANQUETE-ERRO CÍCLICO. A FÉ A SERPENTE-PENSANTE QUE SE ENGOLE-CAUDA. MEU LENINISMO FOI ENTERRADO POR MINHAS UNHAS EXPOSTAS, JUNTO A MEUS OLHOS DÉSPOTAS. O MEU ÓPIO É O ACASO.

DES
RE
EX
A 

 " PÓS-HUGO "