ikhtys , iki - a extinção da espiritualidade


graffiti, stencil, bottom, pixa-acción, lambe, high-kai, zine, diz-torção
oh god, cadê l'art -com l'or-?
fluxo de hemingways
bukowskis, maiakóvskis,
drunkowskis, amadoróviskis,
v-indo et v-indo
et v-indo et
cadê a ligadura do Q?

geração pós-tudo que possa suportar um
pré-
(o resto é lixo ou luxo demais prum resto)
but res to who?

ah, sim.
você lê um leminski, ouve um stravinsky
curte a page facebookiana e ok. ok. ~OK~
elas eles elxs el@s irrefutavelmente
calada-mente frustrada-mente
fakes (s/ finnegans s/ wakes)
esbanjando
- como nesse poemalandro -
cultianismo egocêntrico.

geração umbigo. geração UM-bigo.
(ainda se fosse
um beagle
um-beagle
teria curtidas likes aimés
no face-no-book
hê hê)

que se faça o GRAND parêntesis necessário:
a abordagem tem recorte de classe.
o jovem preto-pobre-terceiro-mundista
continua na pista
: aresta do mundo;
descontexto lírico;
sem conexão poética:
a poesia é a aristocracia da linguagem (via leminski, polaco-negro)
- ñ se ignore o rap, ok?

mas há algo de universal nesse mundo pretensamente
quebrado, descingido, rachado, frag(palavramalditaaqualquermilitanteesquerdista)mentado
~et pourquoi pas mentolado?~ :
alienação
(quase uma ação alien hollywoodiana
própria da implosão humana mesma)
. filho de alienado, alienado é: Alienadson,
novo (sobre)nome: buy it, tá na moda!

e nesses indos e vindos
consumindos,
co-sumidos fomos.
não há mais pássaro que cante selvagerias nas metrópoles,
a natureza é fotografia,
a diversão é fotografia,
o amor é fotografia,
o rubor é fotografia,
o bebê é fotografia,
a trepada... a trepada é filmada mesmo (dá mais likes).

um mundo curtido
(curtindo a vida adoidado: sessão da tarde)
e nossa pira é pouco mais que
fuma bebe cheira engole injeta mete
(e fotografa, claro, flash, flash)
mexe remexe mexe re me x
shhh

(e ninguém para
pra meditar
pra refletir
pra enxergar
ou
sussurrar - quase harmonia s (x3) r (x3) u (x2) a (x1) -
ninguém, exageradamente)

dois mil anos atrás desenhavam um peixe
e viam jesus, o cristo, o amor, a via, a esperança.
há quase um século debate-se academicamente
o iki (kuki shuzo que nunca li, mas haroldo me ensinou)
nipônico iki, tão indecifrável.
e a espiritualidade, a essência,
impregna estes signos (ikhtys - grego peixe simbólico, jesus cristo, e iki - graça agraciante)
do indizível:
et cade Isso na poesia?
na Arte?
Militância?
Amor?
Ciência/descoberta?
Vida?

-

graça (agraciante)
tão oriental quanto o
peixe
(pré-bíblico) cristo:
uma pena, talvez,
que quem venceu na História
(conceito euro(construído)centrico)
foi esse imperceptível
Ocidente.

ou acidente?

nesse um-bigo mundo
o jovem não é comunista
nem artista ou malabarista:
o jovem é um erro
de script
na inter(intra?)net
teragigamega
fassssssssssst

world wide web

W
H
Y

e o velho?
. ah o velho...
pra ele basta um

.