Thy Freedom


i.

Kiselev: “Eu acho que impor multas aos 
gays por propaganda homossexual para 
menores não é suficiente. Eles deveriam 
ser proibidos de doar sangue, esperma.
E seus corações, em caso de acidente de
automóvel, deveriam ser enterrados no
solo ou queimados, como inadequados
para a continuação da vida”


ii.


engulag-me ó pátria

queime meu coração
queime minha rosca

(eis que a luta de classes
russa atinge o gozo anal)

'The Paideuma Zamba' by Francis Fukuyama (int.: Slavoj Žižek)



o Harold, i miss you

tua pós-utópica transcriação qohéletanta
- como falar de ti sem acorrentar o vento?

ignorou o polimidiático facto de que a   re
construção ideogrâmica do império chinês

se faz com ossos
curvadinhos sob

@_+=[?*¨&#$
%"ºª~`>¬³^!§{

(nevertheless Harold, we fist you

diria Kamerad Lênin ''Várias vezes tentei ler
Maiakóvski e nunca pude ler mais que três

versos: sempre durmo.'')


NICHTS ODER ALLES



AH            mundo
      mundo             AH

a caixa torácica do governador dos
estados unidos da américa está exposta
no MoMa, oh my god!, ouço a criança
chorante, mundo mundo ah, é tanto
que queres que eu que eu ah mundo
eu espero eu espero mesmo que ali
na esquina o pobre governador já
saiba que a revolução moeu seus
ossos e farinhou seus dias no pó
que tempestades naquela última festa
à preamar, ah mundo mundo mundo
é muito e mesmo e isso é aquilo que
é espelho e revejo e seja e é é é

mundo
           AH
                  mundo

descobri nesses dias de inverno que
a bolsa escrotal do papa leva baba de
nenê até a contração máxima do estupro
"eu já não quero mais existir" eles
reclamam aos prantos que não há utopia
pós-utópico pois o poema não há que rei
ventar aqui posso quebrar letras palavras
ideias imagens sons tudo que categorizou
pound ou qualquer desimportante pós
pois o mundo já tem tudo tudo tudo

"ouça uma canção no rádio"

repita repita repita essa é poesia
poesia poesia dada dada dada
e foi foi foi e mundo ah mundo

posso repetir para o Sempre que
amo amo amo a poesia e gozo e gozo
ah como gozo essa porra poesia
porra como você tá gostosa hoje e
eu babo e dada baba daba bada baba
aqui no colo no colo eu papa e você
sobe poesia que acabou acabou tudo
que aquela gente europâncreas impôs
nosso reto acima empalados nas culturas
das favelas e das extintas aldeias e povoados
não não há mais que pensar em totalidade

mundo ah mundo
           AH

     eu só
   eu só
               eu só queria ouvir algo expontâneo assim
 por alguns minutos que fosse mundo por alguns mundos
             minutos eu só mesmo
só isso me bastaria
       ah mundo       ah mundo            AH AH


    eu êxtase
eu quieto sempre
     eu sempre quieto te olho te olho

te olho te encaro você pede fala fala

      eu te olho eu só te olho



      só
                 


ah





mundo
ah